Da pluma de algodão ao body de bebê: transparência na fabricação para um consumo mais consciente!

    1. A pluma de algodão pima e orgânico
    2. O processo de fiação da fibra de algodão
    3. A malharia, ou quando o fio orgânico se torna tecido macio
    4. O acabamento do tecido, a preparação para estamparia
    5. A estamparia e o porquê não tingir o tecido
    6. O corte das peças, o nascimento da roupa de verdade
    7. A confecção das roupas de algodão orgânico para bebês
    8. O caso particular das estampas centralizadas e das Naninhas certificadas
    9. O armazenamento sem plástico e as embalagens ecológicas
    10. Conclusão, Transparência para um consumo consciente
 
A Timirim participa de vários eventos físicos para ter espaços de contatos e conversas com o nosso público. Quando é  possível, nós sempre levamos ramos de algodão. Se quase tudo mundo tem uma ideia de como se apresenta a planta de algodão no campo, poucas pessoas se ligam que essas fibras brancas se tornam as roupas que elas usam. É sempre muito interessante de ver a reação e o interesse do público – de 2 à 70 anos! – quando toca a planta e a roupa e pensa nesse vínculo. Depois chegam as perguntas: quais são as etapas para essa pluma se tornar esse macacão de bebê?

 

Cadeia produtiva das roupas para bebe da Timirim blogpost 8
Infografia da cadeia produtiva das roupas de algodão orgânico da Timirim – CR Timirim

 

Antes de entrar nesse mundo de fabricação de roupa infantil, eu como engenheira ambiental, apenas tinha conhecimento da parte de produção de algodão e da importância da cultura orgânica. Fomos descobrindo as numerosas etapas e os desafios de cada uma dela ao longo da montagem da cadeia produtiva. Descobra o diferencial da experiência das nossas roupas para bebês de algodão pima orgânico resumido aqui.

Body explicado Timirim algodão orgânico blogpost 8
Algumas das caracteristicas das roupas de algodão organico da Timirim – CR Timirim

 

1 – A pluma de algodão pima e orgânico

As roupas da Timirim são 100% de algodão orgânico. O algodão é uma planta que permite safra uma vez por ano e precisa de muito sol e água. O algodão convencional usa a maior parte dos agrotóxicos mundial e muita água de irrigação, além de ser tóxico para o meio ambiente, ele também contém produtos ao contato da pele frágil e permeável dos bebês. O algodão orgânico necessita muito cuidado humano e para lutar contra as pragas de forma natural, se cultiva em conjunto com outras plantas que várias vezes são alimentares. O algodão produz essas bolas de fibras leves para espalhar as sementes com o vento e os animais. As sementes do algodão ficam inclusos dentro da pluma.

Campo de algodão orgânico cultivadp com feijão Paraiba Timirim blogpost 8
Pantio de algodão orgânico na Paraiba com feijão – CR Timirim

Nós escolhemos a qualidade superior do algodão pima peruano que tem fibras de comprimento maior, o que permite um toque mais sedoso. Por isso, fomos conhecer os agricultores familiares lá no Peru. Nosso algodão orgânico é certificado Global Organic Textil Standard – GOTS, o que implica de não usar tratamentos químicos e um cuidado melhor dos agricultores e pessoas no campo.

Pluma de algodão orgânico Pima Peru Timirim - blogpost 8
Pluma de algodão pima orgânico no ramo – Peru 2016 – CR Timirim
Campo de algodão orgânico Pima Peru Timirim - blogpost 8
Ramo de algodão pima orgânico num campo peruano – CR Timirim

A nossa malha bege vem de um algodão orgânico chamado de “nativo” que cresce naturalmente colorido, a pluma sendo marrom. Essa fibra marrom é misturada com a fibra off-white do Pima e resulta nessa malha linda suavemente bege!

Detalhes de variedades naturais de algodões orgânicos nativos e coloridos da Paraíba – CR Timirim

Algodão orgânico nativos naturalmente colorido Paraiba Timirim - blogpost 8

A colheita manual da pluma de algodão envolve muitas mulheres. Uma vez que essa pluma é colhida em sacolas, ela é juntada e processada passando por um processo mecânico que separa as sementes inclusos na pluma. Essa fibra já é entregue nas fiações. Para descobrir mais sobre a história do nosso algodão pima orgânico peruano, leia esse artigo do blog.

 

2 – O processo de fiação da fibra de algodão

A fiação é um processo industrial que necessita bastante investimento. E uma sequência de máquinas que vão triturar, alinhar e pentear as fibras da pluma até chegar num fio de uma finura e qualidade que depende da variedade de algodão. Quanto mais curta as fibras, mais grosso o fio.  É muito interessante ter a oportunidade de visitar uma fiação porque para mim é o coração da “mágia” do processo de transformação do algodão. As primeiras máquinas misturam a pluma, usando ventiladores, e olhando pelas janelas dá a impressão de assistir uma fábrica de nuvens. Sempre achei essa fase muito poética.

Processo de fiação de algodão orgânico Timirim blogpost 8 -2
Processo de fiação de algodão orgânico – CR Timirim
Processo de fiação de algodão orgânico Timirim blogpost 8
Afinagem dos fios de algodão orgânico – CR Timirim

A variedade de algodão Pima é uma das melhores do mundo, com fibras de cumprimento maior, o que permite chegar a fazer um fio muito fino 40.1 (o fio que a gente usa) e até 50.1. Infelizmente, hoje no Brasil nos apenas conseguimos fornecedores de fio de algodão orgânico 30.1, que não permite um toque tão macio e sedoso na roupa de bebê final. O nosso fio também tem a característica de ser penteado, o que significa que as fibras do fio passam por um processo que as alinham ainda mais, o que aumenta a qualidade e a durabilidade das peças.

Processo de fiação de algodão orgânico Timirim blogpost 8 -3
Quando a fibra de algodão orgânico se torna fio – CR Timirim

No final desse processo de fiação, uma película de goma é colocada no fio, para poder processar o algodão  nas máquinas e depois permitir melhores condições no tecimento, de resistência à tração e à abrasão. É interessante saber que o acabamento do fio na fiação é diferente quando se trata de fio que vão para tecelagem (para fazer tecidos planos tipo de camiseta) ou que vão para malharia (tecidos de T-shirt, roupa íntima e roupa de bebê por exemplo 😉). As gomas podem ser sintéticas e semissintéticas (derivadas do amido da celulose), mas também naturais de origem vegetal (amidos e féculas de milho, batata, mandioca) ou animal (albumina, colas animais). Essa goma é depois tirada da malha no processo de acabamento do tecido.

Nós compramos o nosso fio certificado GOTS, o que garante que todo o material é orgânico. Importamos o fio para Brasil e todas as etapas seguintes são realizadas no estado de São Paulo.

Logo certificação GOTS - Timirim - Blogpost 8

 

3 – A malharia, ou quando o fio orgânico se torna tecido macio ♥

Chegando no Brasil, o fio de algodão pima orgânico 40.1 penteado engomado vai para a malharia. As indústrias de tecelagem e malharia são diferentes, mas o material da Timirim é 100% malha. A malharia é uma etapa da cadeia produtiva, que igual a fiação necessita pouca mão de obra e sim, máquinas e tecnológia de alto investimento. O princípio da malharia é de máquinas que apresentam as agulhas rodadas numa estrutura redonda, que vão reunir os fios num cilindro fechado de tecido, igual a uma gigantesca meia! O fio da Timirim passa pelas máquinas que permitem malhar um tecido duplo de tipo suedine 😊. Cada máquina tem suas especificações, e no caso, vai ser durante essa etapa de malharia que são feitas as linhas de tecidos listrados. O resultado da malharia são peças de tecidos tubular que pesam cada uma mais ou menos 20 kilos.

Maquina da malharia algodão orgânico Timirim Blogpost 8
Máquina de malharia para fazer a malha suedine dupla da Timirim
Maquina da malharia algodão orgânico Timirim Blogpost 8  -2
Malha de algodão orgânico em fabricação, ainda tubular na malharia – Timirim

 

4 – O acabamento do tecido, a preparação para estamparia

Esse tecido da malharia ainda não fica pronto para ser estampado. Ele precisa ser acabado para ter propriedade que permitem a tinta se fixar de forma certa na malha. Esse processo é chamado de acabamento ou beneficiamento primário do tecido, e necessita poucas etapas e máquinas. Na verdade, esse processo pode ser resumido a máquinas de lava-roupas industriais grandes, que permitem lavar mais de 100kg de tecido de cada vez. A malha passa assim por lavagem na água a alta temperatura com alguns produtos que permitem desengomar a malha, tirar as últimas impurezas físicas do tecido. Essa fase também permite “fechar” o tecido para ele não se deformar ou destorcer nas lavagens diárias futuras.

Infelizmente essa fase não pode se realizar sem o uso de alguns produtos químicos, que não necessariamente são tóxicos para pelo ou meio ambiente. A goma do fio já sai com água quente, mas o algodão tem óleos naturais que impedem uma boa hidratação do tecido e necessitam lavagens com sabão. Lavagem com peroxido de hidrogeno (H202) e sequestrante de ferro são necessários. Nós sempre escolhemos as opções que usam menos, mas tivemos que abrir mão de “Zero químicos” nos processos. Esses químicos depois são lavados no processo de acabamento final. A indústria de acabamento primário com a qual trabalhamos segue todos os protocolos de preservação e tem o próprio centro de tratamentos de águas.

Depois desse processo a malha é entregue a estamparia aberta (não é mais tubular) e compactada por ter passado por um processo de ramagem.

 

5 – A estamparia e o porquê não tingir o tecido

Essa malha beneficiada chega na estamparia. Geralmente as indústrias de estamparia também fazem processos de tingimento de tecidos. Nós escolhemos não tingir os tecidos porque esse processo consume muita água doce e representa a segunda fonte de poluição de água doce no mundo. Também acreditamos que o mais natural e puro o tecido fica, o melhor quanto para o planeta, quanto para a pele dos bebês. Existem processos de tingimentos naturais, mas ainda não encontramos soluções industriais adequadas, que permitiam resultar numa roupa que não fosse delicada, ou necessitando lavagem a mão e na água fria, o que não funciona com roupas de bebê!

A solução de estampar também veio com algumas considerações técnicas. Apesar de deixar o lado da roupinha em contato com a pele do bebê livre de tintas, exigimos de trabalhar apenas com tintas a base de água, que não tem solventes ou metais pesados na composição, são mais ecológicas e preservam tanto o meio ambiente quanto a saúde de quem usa a roupa. Essas tintas são usadas com pigmentos reativos que dá um melhor resultado final. As duas técnicas de impressão que usamos são a impressão digital e a rotativa. A primeira usa uma máquina de alta-tecnologia que parece impressora de computador mesmo, a segunda é uma técnica mais tradicional onde cada cor da estampa tem um cilindro gravado correspondente e a impressão acontece cor por cor. Essa etapa é considerada beneficiamento secundário.

Depois de estampar, o tecido passa pelo beneficiamento terceiro, seja a lavagem final, com amaciante de silicone e graxo. Os rolos de tecidos estampados são entregues para confecção.

 

6 – O corte das peças, o nascimento da roupa de verdade

Chegando na confecção, a primeira fase é o corte do tecido, de acordo com os moldes predefinidos. No nosso caso, a disposição dos moldes para o corte é manual, para limitar ao máximo o desperdício de material no processo. Você empilha dezenas de camadas de tecido numa mesa especial que possui uma faca de corte para tecido. Depois a pessoa responsável vai encaixando os pedaços de moldes acima, para otimizar a produção e evitar o desperdício. Uma vez que esse trabalho for feito, todas as camadas são cortadas de uma vez, e as pilhas de tecidos parecem fatias de bolos gostosas!

Corte das peças algodão orgânico confecção Timirim blogpost 8 - 2
O saber-fazer da fase delicada do corte – CR Timirim
Corte das peças algodão orgânico confecção Timirim blogpost 8
Encaixe de moldes de roupas de bebês para o corte – CR Timirim

Esse processo delicado tem que ser muito bem realizado porque o sucesso da confecção depende dele. No nosso caso, a chefe de ateliê da confecção faz um trabalho maravilhoso! O resultado deixa apenas alguns retalhes minúsculos de menos de 5cm² que nem daria para usar como upcycling. Esses retalhos a gente recolhe (nunca jogamos nada fora!) e manda para uma empresa que recicla as fibras de algodão para reuso na indústria têxtil 😊.

 

7 – A confecção das roupas de algodão orgânico para bebês

Depois do corte, os pedaços vão para máquinas onde a equipe toda de costureiras cuida de cada peças de acordo com as especificações definidas. Pensamos as peças para ser as mais confortáveis para os bebês, então as costuras planas, os moldes kimonos, as aberturas facilitadas etc. são todos realizados nessa fase. Essa fase envolve muito carinho de muitas mãos espertas! É a fase de produção que mais necessita cuidado humano e por isso, que também mais necessita reconhecimento do valor dessas mulheres e do trabalho delas!

Equipe de costureiras Timirim blogpost 8
Equipe das costureiras – CR Timirim

Os botões de pressão de aviamentos usados são um pedido especial da Timirim para um fornecedor nacional. Nós pedimos para botões sem chumbo nem níquel entrando na composição. Esses materiais poluem muitos e também são agressivos e não recomendados em relação a saúde, tanto dos bebês, quanto dos adultos. Qualquer latão brasileiro geralmente vem com esses componentes. Nós conseguimos esse pedido especial porque as indústrias brasileiras têm que produzir esse latão mais ecológico e saudável para as exportações para Europa! De fato, o chumbo e níquel são proibidos no latão que entra Europa.

Entre a fase de corte e a montagem final da peça, a etiqueta é colocada no colo da peça. Desde o início, foi muito claro para a gente que não era para usar etiquetas costuradas. Essas são geralmente de poliéster e a costura costuma irritar a pele dos recém-nascidos. A primeira coisa que a mãe faz é cortar a etiqueta o mais raso possível! A nossa solução de transfer permite evitar isso e deixar o bebê mais confortável 😊.

Transfer etiqueta Timirim algodão orgânico - blogpost 8

8 – O caso particular das estampas centralizadas e das Naninhas certificadas

Nas coleções da Timirim, sempre desenvolvemos peças com estampas centralizadas, seja com um desenho único aparecendo no centro do body ou no bumbum da calça ♥. Essas peças passam por um processo um pouco diferente já que elas não vêm estampadas de forma corrida, igual as outras. Em vez de passar pela estamparia, elas vão para serigrafia. Cada desenho é feito manualmente. Para cada cor de cada estampa é feito uma tela e um fotolito. Depois, a confecção manda o corte de tecido da parte que é para ser serigrafada. Nós usamos de novo apenas tintas a base de água e com toque zero. A pessoa serigrafa cada cor uma depois da outra em cada peça e manda a peças assim estampada de volta para confecção que finaliza as costuras e montagem da peça.

Body kimono manga longa golfinho Timirim - serigrafia - blogpost 8
Body kimono manga longa de serigrafia golfinho duas cores da Timirim

 

No caso das naninhas, como se trata de brinquedos, é necessário (e obrigatório por lei) ter o selo INMETRO, que regulariza o  que pode ser usado pela criança ou bebê. Quem tem esse selo são as próprias empresas  que fabricam ou costuram os brinquedos. Elas são controladas cuidadosamente para garantir o seguro da peça. Por isso, as nossas naninhas são feitas (as cabeças) e costuradas por um terceiro especializado e vêm com uma etiqueta a mais – obrigatória – que conta o CNPJ de quem faz e menciona o selo INMETRO! Assim você pode ter total confiança nas naninhas nos momentos de presentear o seu bebê 😊.

Naninha Timirim preguiça celo Inmetro certificacao blogpost 8
Naninha algodão orgânico preguiças Timirim – certificada INMETRO para um uso seguro

 

9 – O armazenamento sem plástico e as embalagens ecológicas

Nós inovamos também no processo de armazém das peças. Geralmente, as confecções entregam cada peça embrulhada individualmente num plástico (nem reciclável!) descartado a cada venda. Achamos esse processo um absurdo para o meio ambiente, sabendo do impacto negativo das embalagens de plástico descartáveis! Nós decidimos – de acordo com a nossa confecção – recuperar as peças prontas, todas juntas em sacolas de plástico muito grandes que reusamos a cada entrega de produção. Chegando no armazém, as peças são cuidadosamente controladas (botões de pressão, manchas no tecido) e vão para conserto (ou para para o projeto cesto da Timirim!) ou entram no estoque, o que significa dentro de armários fechados, sem embalagens individuais e com proteção contra os insetos de óleos naturais biológicos, que até passam esse cheiro gostoso de lavanda que vocês amam 😊.

Quando você fecham um pedido online, a peça é retirada do estoque e é mandada nas nossas embalagens ecológicas mais sustentável: caixa de papelão certificado reciclável e re-usável no caso de troca ou devolução, papel de seda reciclável e folhetos de papel de semente e de papel offset sem laminação (evitar a laminação ajude a reciclagem do papel). Se vocês escolherem a opção de embrulho de presente, a caixa é de papel reciclado com sementes de manjericão! Ou seja você pode até plantar a caixa ♥.

Emabalagem envio de pedido pelo correios - Timirim
Embalagem ecológico e reciclável da Timirim

Conclusão – Transparência para um consumo consciente

Agora, quando você irá comprar uma roupa para você, seus filhos ou seus bebês, vocês vão poder perceber o número de pessoas e o quanto trabalho e saber-fazer essa peça necessitou. Isso é um dos nossos papéis na Timirim e um pilar da nossa identidade. Achamos essencial reconectar o consumidor com todas essas etapas e histórias atrás dos produtos. Essas informações são a base da empolgação para um consumo mais consciente! 

As etapas técnicas envolvem pessoas, mas não é para esquecer que na grande equipe de produção entram também todos os recursos humanos de desenhos das peças, estampas e moldes. Essas pessoas são centrais para chegar no resultado lindo que conseguimos oferecer para vocês! Espero que vocês gostem ♥

Estou a disposição para esclarecer dúvidas e responder a suas respostas 😊

Abraço verde

Ninon

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *